Empresário foragido da Justiça é preso pela Polícia Civil em Palmas

O dono de postos disse que é inocente de todas as acusações e que só fugiu porque temia pela própria vida. Duda afirma que foi ameaçado de morte. O dono de postos disse que é inocente de todas as acusações e que só fugiu porque temia pela própria vida. Duda afirma que foi ameaçado de morte. Reprodução TV Anhanguera

O empresário é suspeito de ser o mandante dos homicídios que vitimou Wenceslau Leobas e do assassino José Marcos de Lima, autor dos disparos contra Wenceslau ele também é acusado de formação de quadrilha na venda de combustível

 

Da Redação

 

O empresário do ramo de combustíveis de Eduardo Augusto Rodrigues Pereira, também conhecido como “Duda”. foi Preso ontem quando compareceu perante autoridade policial. O empresário estava foragido a mais de quatro meses.

  

 Ele é suspeito de ser o mandante do homicídio que vitimou Wenceslau Leobas, crime ocorrido no dia 28 de janeiro de 2017, em Porto Nacional. Conforme apontaram às investigações da Polícia Civil do Tocantins, Duda também é suspeito de ser o mandante do homicídio de José Marcos de Lima, autor dos disparos contra Wenceslau e que foi morto dentro da Casa de Prisão Provisória de Palmas, no dia 3 de março de 2017,supostamente a mando de Eduardo.

 

Após o cumprimento da ordem judicial, policiais civis da Divisão de Homicídios e também do Grupo de Operações Táticas Especiais (GOTE), encaminharam o suspeito até o IML de Palmas, para a realização de exame de corpo de delito. Em seguida, os policiais do GOTE e da DHPP, conduziram o suspeito até o fórum da Comarca de Porto Nacional para que o mesmo participasse da audiência de custódia com o juiz responsável pelo caso.

 

Após a audiência, os policiais civis encaminharam Eduardo Pereira até a Casa de Prisão Provisória de Porto Nacional, onde o homem permanecerá à disposição do Poder Judiciário.

 

Com informações da SSP´TO

Avalie este item
(0 votos)

Mais notícias - Tocantins

Cidades

    Política

      Tocantins

        Brasil

          Tocantins

            Opinião

              Topo