Renan Calheiros critica Temer e a reforma da Previdência

 Renan ironizou personagem de campanha: ""Dois Micheis ao invés de dois Joões" Renan ironizou personagem de campanha: ""Dois Micheis ao invés de dois Joões"

"Michel presidente fala coisas, mas não faz as coisas que fala" (vídeo no fim)

 

Com: Estadão Conteúdo

 

Em tom humorado, Calheiros, que é do mesmo partido de Temer, usa uma das peças publicitárias encomendadas pelo governo federal para divulgar a Previdência como fundamento para a sua crítica. No filme escolhido, o governo compara dois trabalhadores chamados João, um que é funcionário público e outro da iniciativa privada. Enquanto um é destacado como detentor de privilégios, outro é apontado como desfavorecido pelas regras vigentes do sistema público de aposentadoria.

 

Renan sugere aos "marqueteiros do governo" que mantenham a campanha, que ele considera "boa". No entanto, o senador pede para que troquem os personagens. "Ao invés de dois Joões colocassem dois Micheis", diz. "O Michel privado, cidadão. E o Michel presidente. O Michel cidadão, que se aposentou aos 55 anos de idade, ganhando inicialmente R$ 48 mil de aposentadoria e hoje ganha R$ 68 (mil) e acha que fez por merecer", afirma o senador.

 

Na sequência, Renan Calheiros acusa Temer de deixar de atualizar as suas informações no INSS, ficando inclusive sem receber o benefício da aposentadoria por um período, para tirar o foco de si e conseguir aprovar a reforma no Congresso.

 

Temer não cumpriu o prazo para realizar a prova de vida, uma exigência para receber a aposentadoria como procurador do Estado de São Paulo. A falta da prova, um recadastramento anual, impede que ele receba os vencimentos. Em nota, a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência informou que Temer "não fez por falta de tempo, mas fará assim que possível".

 

Renan dispara: "E o Michel presidente, que é sabido, quer a reforma e que os outros contribuam até os 75 anos. Esse é o problema dessa reforma das aposentadorias. O Michel presidente fala coisas, mas não faz as coisas que fala".

Avalie este item
(0 votos)

Mídia

Mais notícias - Política

Cidades

    Política

      Tocantins

        Brasil

          Tocantins

            Opinião

              Topo