Encarnação de papai Noel em Gilmar Mendes

Ministro manda Adriana Anselmo para casa, e determina o arquivamento de processos contra 3 deputados federais, 1 senador 1 governador.

 

Por Antonio Coelho de Carvalho

 

 O espírito  natalino baixou de vez no ministro do STF Gilmar Mendes, ( frase dita pelo procurado da Republica Carlos Fernandes), ontem ele concedeu Habeas Corpus a ex-primeira dama do Rio de Janeiro Adriana Ancelmo para que ela volte a cumprir prisão domiciliar. Em sua decisão o nobre Magistrado relata: "Não obstante as circunstâncias em que foi praticado o delito, a concessão da prisão domiciliar encontra amparo legal na proteção à maternidade e à infância, como também na dignidade da pessoa humana, porquanto prioriza-se o bem-estar da criança", escreve o ministro na decisão.

 

Mês passado, a justiça Federal havia determinou que a ex-primeira-dama fosse transferida para o regime fechado. Antes da decisão, ela cumpria medida cautelar de recolhimento domiciliar em seu apartamento no Leblon, zona sul do Rio, por ter filhos menores de idade, 11 anos.

Em outra de decisão com a ajuda e voto de Dias Toffoli, quê ao que parece travestido de ajudante de papai Noel , rejeitam denúncias da Procuradoria Geral da Republica (PGR) contra um senador e três deputados federais. Os presenteados foram o nobre senador Benedito de Lira (PP-AL), seu pobre filho deputado federal Arthur Lira (PP-AL), Eduardo da Fonte (PP-PE) e José Guimarães (PT-CE) que foram denunciados por crimes na Lava Jato. Para os dois magistrados faltam provas para incriminá-los. Assim como também falta provas para prosseguir um  inquérito contra o governador de Paraná, Beto Richa (PSDB).

 

Afinal é Natal, período em que os corações parecem mais fraternos, doces, e as pessoas querem mostrar sua bondade. Lembrando que tem a saidinha de Natal de muitos presos, mas muitas mães como Adriana Anselmo não tiveram a mesma sorte de ter sito agraciada com o espírito de Natal como esse que arrebatou  Gilmar Mendes. Alias há muito ele sito um verdadeiro anjo para muitos já condenados, que buscam em suas insônias, um milagre para livrá-los do inferno.  

 

Adriana Anselmo

A ex-primeira-dama do Rio Adriana Ancelmo, mulher de Sérgio Cabral, teve sua primeira condenação à prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa. A sentença, proferida pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, estipula penas que somam 18 anos e três meses de prisão contra ela.

 

Acusações contra a família Lira

Na denúncia, protocolada pelo então procurador-geral da República Rodrigo Janot, pai e filho são acusados de crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro pelo suposto recebimento de propina no valor de R$ 2,6 milhões, nos anos de 2010 e 2011, por meio de doações oficiais da UTC e dinheiro em espécie.

 

Segundo Janot, eles participaram de esquema de corrupção e lavagem de dinheiro relacionado à Diretoria de Abastecimento da Petrobras, na época chefiada por Paulo Roberto Costa, a partir de indicação política do Partido Progressista (PP).

 

Eduardo da Fonte

O deputado foi denunciado ao Supremo, em março de 2015, pelo crime de corrupção passiva, com base em um dos depoimentos de delação premiada do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa .

 

De acordo com Rodrigo Janot , o deputado “intermediou a solicitação” de R$ 10 milhões para que o ex-senador Sérgio Guerra (PSDB-PE), que morreu em 2014, e a bancada do partido barrasse as investigações da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, em 2009.

 

No Supremo, a defesa do deputado questionou a legalidade das provas e disse que, durante os trabalhos da CPI, a comissão enviou 19 representações à PGR para adoção das providências necessárias a crimes identificados nas obras da refinaria de Abreu e Lima, uma das licitações da Petrobras investigadas na Lava Jato.

 

José Guimarães

De acordo com a denúncia da PGR , o parlamentar petista recebeu R$  97,7 mil em propina para pagar despesas pessoais com um escritório de advocacia e uma gráfica que trabalhou em sua campanha.

 

Segundo a acusação, do valor total recebido pelo deputado, R$ 30 mil consistiam em vantagens indevidas para favorecer a empreiteira Engevix em um contrato de crédito com o Banco do Nordeste, avaliado em R$ 260 milhões, para construção de usinas eólicas na Bahia.

 

Durante o julgamento no STF, o advogado do parlamentar afirmou que Guimarães não teve influência na obtenção do financiamento para a Exgevix.

 

José Guimarães é o deputado pego pela PF no aeroporto de Congonhas com US$ 100 mil, (dólares) na cueca e mais R$ 209 mil em uma maleta, o chamado “Caso dos Dólares na Cueca” . Todos com bons antecedentes, foram bons meninos e merecem presentes.  

Antonio Coelho de Carvalho é jornalista  

Avalie este item
(1 Voto)

Mais notícias - Opinião

Cidades

    Política

      Tocantins

        Brasil

          Tocantins

            Opinião

              Topo