PC prende 4 suspeitos de fraudar mais de R$ 500 em financiamentos

Da esquerda para a direita, Overaldo, Josivaldo e Muriel presos pela Polícia Civil, abaixo José Alves, integrante da quadrilha preso em Gurupi Da esquerda para a direita, Overaldo, Josivaldo e Muriel presos pela Polícia Civil, abaixo José Alves, integrante da quadrilha preso em Gurupi Foto: PC

A prisão aconteceu em Porto Nacional, mediante cumprimento de mandados de prisão preventiva e temporária


Por Rogério de Oliveira

 
Após dois meses de investigações, policiais civis da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores (DERFRVA), comandados pelo delegado Rossílio de Souza Correia e com apoio do Grupo de Operações Táticas Especiais (GOTE) desarticularam, na tarde desta segunda-feira, 22, uma quadrilha especializada em realizar financiamentos fraudulentos de veículos, que agia em Palmas, municípios vizinhos e, em Brasília.


Durante as ações da operação foram presos, mediante cumprimento de mandados de prisão preventiva e temporária, Muriel Santos Melo, 35 anos, considerado o chefe da organização criminosa, Josivaldo Gomes da Cruz, 29 anos, Overaldo da Cunha Rosal Filho, 38 anos, bem como José de Lourival Alves Soares, 38 anos, o qual havia sido preso, em Gurupi no último sábado, 20, no momento em que realizava mais um financiamento fraudulento visando adquirir produtos avaliados em mais de 8 mil reais, em uma loja da cidade.

 

Conforme o delegado Rossílio, a quadrilha falsificava toda a documentação necessária, que incluía CNHs, Duts, RGs e procurações de terceiros a fim de obter financiamentos fraudulentos. “Os indivíduos se utilizavam de sites de compra e venda na internet, onde fingiam interesse na compra de determinado veículo e pediam para que o proprietário enviasse a eles fotos do carro e também do Documento único de Transferência (DUT). Uma vez de posse do documento, os integrantes da organização criminosa falsificavam documentos pessoais e também do veículo e conseguiam financiar o veículo, deixando o verdadeiro dono com a dívida”, ressalta o delegado.

Imagem de Documentos falsificados pela quadrilha


Ainda de acordo com o delegado, as investigações foram deflagradas após um golpe que a quadrilha aplicou em uma senhora residente em Palmas. “Overaldo, um dos integrantes da quadrilha foi até Brasília, onde locou um veículo HB20 e veio para Palmas. Na Capital, o indivíduo, utilizando documentos falsos, se apropriou do carro e o passou para seu nome e, em seguida o revendeu para a vítima pela quantia de R$33 mil reais, como se o automóvel fosse legalizado”, pontuou o delegado.


No entanto, ao tentar transferir o veículo para o seu nome, a mulher descobriu que o carro pertencia, de fato, a uma locadora e havia sido roubado. Desta maneira, o carro foi apreendido e a mulher ficou com o prejuízo. A audácia de um dos suspeitos foi tamanha que após a vítima ligar cobrando o recebimento do dinheiro de volta, alguém ligado a Overaldo, enviou a ela uma foto do homem deitado com o rosto coberto por ketchup, simulando estar morto.


Até agora, os policiais civis da Derfrva conseguiram localizar seis veículos adquiridos por meio de fraude realizada pela quadrilha, sendo quatro camionetes e dois carros de passeio. No entanto, o delegado acredita que a quadrilha possa ter feito muitas outras vítimas.


“O Muriel, que é considerado o mentor intelectual da quadrilha, possui uma garagem de revenda de veículos e Porto Nacional e, desta maneira, tinha acesso a uma senha utilizada para efetuar financiamentos de veículos, junto às instituições financeiras, todavia, por meio das investigações, descobrimos que essa senha funcionava como uma ferramenta para acelerar o acesso da quadrilha ao dinheiro do financiamento, causando enormes prejuízos a terceiros”, frisou o delegado.


Ainda durante a ação da Polícia Civil, que durou toda a segunda-feira, os investigadores apreenderam em poder de um dos indivíduos, seis RGs falsos, bem como computadores, celulares e placas de veículos.


 Muriel, Josivaldo e Overaldo foram encaminhados a sede da Delegacia Especializada e responderão a inquérito pela prática dos crimes de Receptação, Uso de documento falso, Formação de Associação Criminosa, Falsificação de documento público e Estelionato. Após os procedimentos cabíveis, os três indivíduos foram recolhidos à carceragem da Casa de Prisão Provisória de Palmas, onde permanecerão à disposição do Poder Judiciário.

 

Avalie este item
(0 votos)

Mais notícias - Cidades

Cidades

    Política

      Tocantins

        Brasil

          Tocantins

            Opinião

              Topo