PF prende 26 em operação contra tráfico internacional de drogas

Foram feitas 26 prisões, cumpridos 18 mandados de busca, a apreensão de 47 aeronaves, o sequestro de 13 fazendas com mais de 10 mil cabeças de gado bovino e a inclusão de seis pessoas no Sistema de Difusão Vermelha da Interpol.

 

Com Agências

 

A Polícia Federal apreendeu, no início da manhã desta quinta-feira (21/2), aeronaves que estavam em um aeroclube de Goiânia durante ação contra tráfico o internacional de drogas. A Operação Flak, deflagrada hoje pela corporação visa desarticular uma organização criminosa especializada no transporte aéreo de drogas para o Brasil, Estados Unidos e Europa.

 

De acordo com informações dos investigadores, a apuração teve início em 2017. Neste prazo foram registrados 23 voos transportando em média 400 quilos de cocaína cada. Ao todo, mais de nove toneladas foram distribuídos pela quadrilha. Foi constatado ainda que os aeronaves eram adulteradas para ter mais tempo de vôo.

 

Além das prisões – até o momento realizadas no Tocantins, no Pará e em Goiás –, a PF tenta apreender 47 aeronaves usadas pela quadrilha. Os mandados foram expedidos pelo juiz federal Pedro Felipe de Oliveira Santos, da 4ª Vara de Palmas.

 

Além de pilotos, a organização contava com mecânicos que adulteravam as aeronaves para aumentar a autonomia dos voos e ocultar o prefixo original dos aparelhos, para despistar as autoridades. O grupo usava Palmas e Porto Nacional, no Tocantins, como pontos de apoio.

 

João Soares Rocha, apontado como chefe da quadrilha, foi preso em Tucumã, no Pará. Ele já foi investigado por suposta lavagem de capitais do traficante Fernandinho Beira-Mar. A PF também apreendeu aeronaves, mas um balanço da operação não tinha sido divulgado até a última atualização desta reportagem.

 

Além de Goiás, a operação é executada também no Tocantins, Paraná, Pará, Roraima, São Paulo, Ceará e no Distrito Federal. Ao todo, são cumpridos 54 mandados de prisão e 81 de busca e apreensão, todos os mandados foram expedidos pelo juiz federal Pedro Felipe dos Santos, da 4ª Vara Federal de Palmas, no Tocantins.

 

Tráfico internacional de drogas em Goiás, outros seis estados e DF

Conforme a PF, os envolvidos devem responder, de acordo com suas participações, por tráfico transnacional de drogas, associação para o tráfico, financiamento ao tráfico, organização criminosa, lavagem de dinheiro e atentado contra a segurança do transporte aéreo.

 

Operação Flak

Mais de 400 agentes federais atuam na operação, com auxílio da Força Aérea Brasileira (FAB) e do Grupamento de Rádio Patrulha Aérea da Polícia Militar de Goiás (GRAER/PMGO). Operação Flak faz alusão a uma expressão utilizada pelos países aliados durante a Segunda Guerra Mundial para se referirem à artilharia antiaérea alemã, por isso a escolha do nome.

João Soares Rocha, apontado como chefe da quadrilha, foi preso em Tucumã, no Pará. Ele já foi investigado por suposta lavagem de capitais do traficante Fernandinho Beira-Mar. A PF também apreendeu aeronaves, mas um balanço da operação não tinha sido divulgado até a última atualização desta reportagem.

Avalie este item
(0 votos)

Mais notícias - Brasil

Cidades

    Política

      Tocantins

        Brasil

          Tocantins

            Opinião

              Topo