Michel Temer foi informante dos Estados Unidos, diz Wikileaks

 “Quem quer que vença a eleição presidencial terá que vir até nós para fazer qualquer coisa”, teria dito o político. “Quem quer que vença a eleição presidencial terá que vir até nós para fazer qualquer coisa”, teria dito o político. Foto: Agência Brasil/Web

Os documentos com a visão política de Michel Temer são de 2006, mas a organização só divulgou nesta quinta-feira

 

Com Agências

A Wikileaks, organização sem fins lucrativos da Suécia, publicou em seu perfil do Twitter, na noite de sexta-feira (12), que o presidente interino do Brasil, Miche Temer (PMDB), foi informante da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil.

De acordo com os documentos divulgados, o peemedebista teria se correspondido com a embaixada via telegrama e o conteúdo seria classificado como "sensível" e "para apenas uso oficial". Segundo o Metrópoles, os arquivos foram transmitidos no dia 11 de janeiro de 2006, às 14h02 e no dia 21 de junho de 2006, às 16h05.  

Temer informaria sua visão de como estava a situação política brasileira na época, opinião principalmente referente às eleições de 2006, quando Lula foi eleito. Ele teria analisado o cenário em que seu partido poderia ganhar a corrida presidencial. Além disso, falou sobre as diferenças entre Luis Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso. O político teria dito que “as classes C, D e E acreditam que Fernando Henrique roubou dos pobres e deu para os ricos. Já Lula roubou dos ricos para dar aos pobres”.

Os telegramas ainda apontam para uma possível disputa entre um candidato do PMDB com Lula, caso não houvesse acordo entre os partidos. Anthony Garotinho teria sido cogitado neste momento, mas haveria uma resistência no PMDB. Germano Rigotto, na época governador do Rio Grande do Sul, e Nelson Jobim, ex-ministro da Defesa, também foram cotados.

Em outra parte do documento, Temer se negou a prever os resultados das eleições, porém garantiu que haveria segundo turno: “qualquer coisa poderia acontecer”. Na ocasião, ele teria confirmado que o seu partido não apresentava candidatos à presidência e que o PMDB não seria aliado do PT e nem do PSDB, pelo menos até o segundo turno.

O presidente em exercício teria dito que o PMDB elegeria, em 2006, entre 10 e 15 governadores pelo país, além de ter também as maiores bancadas no Senado e na Câmara dos Deputados. Desta forma, o presidente eleito teria que se reportar ao PMDB para governar. “Quem quer que vença a eleição presidencial terá que vir até nós para fazer qualquer coisa”, avisou Temer.

 

https://wikileaks.org/plusd/cables/06SAOPAULO689_a.html

Avalie este item
(1 Voto)

Mais notícias - Brasil

Cidades

    Política

      Tocantins

        Brasil

          Tocantins

            Opinião

              Topo