Justiça descobre dois apartamentos de Adriana Ancelmo que não estavam bloqueados

Um ano e meio depois de mandar bloquear todos os bens da família, Justiça encontrou dois apartamentos, avaliados em mais de R$ 6 milhões – e que foram descobertos por causa de dívida de R$ 100 mil no condomínio

 

Com Folha São Paulo

 

 

Um ano e meio depois de mandar bloquear todos os bens de Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador Sérgio Cabral, a Justiça descobriu outros dois imóveis apontados como sendo da advogada e ex-primeira-dama do Rio de Janeiro. Os apartamentos são avaliados em R$ 6,3 milhões e só foram encontrados em abril deste ano por causa de dívida de R$ 100 mil do condomínio. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

 

Segundo a Folha , os dois apartamentos ficam em um prédio de Ipanema, zona sul do Rio. Os documentos no cartório apresentam como proprietário a Cyrela, responsável pela construção do edifício Wave Ipanema, concluído em 2014. Contudo, por causa da dívida de R$ 100 mil – em que Adriana Ancelmo é apontada como real proprietária – a Justiça conseguiu encontrar os imóveis.

 

A ex-primeira-dama do Rio teria adquirido os apartamentos em 2012 e 2014, antes mesmo da conclusão da obra. Ela chegou a declarar os imóveis no Imposto de Renda, pois as transações com a empreiteira foram oficializadas, apesar de as escrituras públicas nunca terem sido comunicadas ao registro de imóveis.


Por causa disso, os dois apartamentos não foram bloqueados junto dos outros bens de Ancelmo, no ano passado. Mas, agora, serão colocados a leilão futuramente.

 

Ao jornal, a defesa afirmou que “desconhecia o fato de os imóveis não estarem bloqueados”. Já a Cyrela diz que “compete à compradora providenciar o registro junto ao cartório de imóveis”.

 

Condenações de Adriana Ancelmo 

Ancelmo foi presa em janeiro de 2017 em desdobramento da Operação Calicute , que também prendeu seu marido, Sérgio Cabral (MDB), no fim de 2016. A advogada foi condenada em quatro ações penais pelo juiz federal Marcelo Bretas, somando pena de 41 anos e cinco meses.


Segundo as investigações, Cabral utilizava o escritório de advocacia da esposa para lavar dinheiro de propinas. Ela também é acusada de 'branquear ativos' na compra de joias. Ancelmo nega as acusações, mas mesmo assim a família concordou em entregar todos seus bens à Justiça para obter redução de pena nos processos de lavagem de dinheiro.


No próximo dia 4 de setembro, acontece o primeiro leilão dos bens da família de Adriana Ancelmo e Sérgio Cabral, que soma dezenas de milhões de reais. Eles ainda têm R$ 18 milhões em dinheiro em contas também bloqueadas.

 

Avalie este item
(0 votos)

Mais notícias - Brasil

Cidades

    Política

      Tocantins

        Brasil

          Tocantins

            Opinião

              Topo